Quem tem silicone pode amamentar?

A prótese de silicone atrapalha na amamentação?

A prótese de silicone é uma das cirurgias estéticas mais procuradas (e desejadas) pelas mulheres de todo o mundo, com mais de 1 milhão realizadas todo o ano. Mas, será que a prótese na mama não atrapalha na amamentação do bebê? 

Vamos tirar as dúvidas frequentes relacionadas a gravidez e como fica a amamentação para as mães “siliconas”, ou que estão se preparando para ambos. Veja algumas dicas e sugestões que podem ajudar.    

O que pode mudar com silicone na amamentação
Quem tem silicone pode amamentar?

Aprenda um pouco sobre as mamães (ou que planejam ser) que utilizem, ou pretendam utilizar o implante de silicone, questões importantes para saúde do bebê, dentre as principais se permite ou não a amamentação. E sim, mães que utilizam silicone geralmente podem amamentar. Acompanhe.

O que é o Silicone?

O silicone é um semi-orgânico, composto de silício e de oxigênio, mais utilizados comercialmente em graxas, impermeabilizantes, selantes e outros meios, ficando mais conhecido através da utilização em próteses mamárias. Essa cirurgia de estética é realizada com médico especialista, que introduz a prótese de silicone em forma de gel, embalada em membrana para ser resistente, maleável e duradoura.

A cirurgia especializada para o implante de silicone leva em média 2 horas e meia, podendo utilizar anestesia local ou parcial, ficando a cargo de médico e ciência  da paciente os detalhes para o procedimento. Até porque sua medição em tamanho e peso são debatidas, indicada as mais adequadas que não ofereçam riscos estéticos ou físicos, geralmente antecipando qual formato, textura e tamanho ficarão os seios.

Silicone antes da gravidez

O indicado se tem uma gravidez com data planejada para as tentativas de fecundação e já utiliza implante de silicone, que aguarde intervalo até o sexto mês pós cirurgia, para recuperação do organismo e melhor adaptação.

Importante que dependendo do tamanho da prótese, das mamas e do tipo de cirurgia realizada, pode ser gerada dificuldade na amamentação. Principalmente se houver alterações glandulares ou estruturais na mama pela cirurgia, que pode até não possibilitar o aleitamento materno.

Se planejar ter filhos com amamentação, o indicado é que converse com seu médico sobre as possibilidades na cirurgia, de forma que o benefício estético não altere a estrutura das mamas em produção e fluxo do leite materno.

Sobre mitos do silicone na amamentação, não há alteração do sabor do leite pela prótese, que fica em posição sem ter contato com o líquido materno. 

Silicone após gravidez

Se você já utilizava prótese de silicone antes da gestação irá notar algumas alterações da mama,  mudanças físicas que nada tem haver com a prótese. Essas mudanças são individuais e dependentes de cada organismo, em alguns casos a mama aumenta e noutros pode diminuir, devido estímulo hormonal.

Como é normal que a pele fique flácida durante o período da amamentação e já há armazenamento de leite nas glândulas mamárias, é natural que a pele estique. Nesse ponto as técnicas utilizadas para implantação do silicone definirá em muito como ficará o resultado estético nesse período. Nada impede que após o período de amamentação a mamãe retome consulta com especialista se houver necessidade de nova cirurgia.  

O que pode ocorrer é exatamente que dependendo da cirurgia realizada anteriormente (mudança na estrutura ou alterações das glândulas) a amamentação não poderá ser realizada devido à lesão dos ductos. Cirurgias que envolvam alterações da aréola acabam cortando parte da glândula mamária, o que pode provocar esse problema.

Gostou de nossa matéria sobre o silicone e quer descobrir mais assuntos sobre maternidade e bebês, acesse o blog!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.