Leptospirose: sintomas, causas e tratamento

Conhecida popularmente como a “doença do rato”, leptospirose é a nomenclatura mais adequada.

A doença trata-se de uma infecção causada por bactérias do gênero Leptospira, ocorrendo quando o indivíduo entra em contato com a urina dos animais transmissores da doença que estão contaminados.

Além dos roedores, caninos, bovinos e suínos também podem transmitir a doença para os seres humanos.

leptospirose
Leptospirose: sintomas, causas e tratamento

Em decorrência das enchentes, os ratos urbanos acabam sendo os maiores transmissores da doença no país. Apesar disso, mesmo com o nível baixo da água, o risco permanece, isso ocorre porque a bactéria pode sobreviver no organismo dos animais contaminados por até seis meses, mesmo sendo eliminadas através da urina.

Principais sintomas da leptospirose

É importante saber que a leptospirose pode surgir de forma assintomática, no entanto, quando isso não ocorre, os sintomas envolvem febre alta, dor muscular, dor de cabeça, cansaço, tosse, olhos avermelhados, mal estar, diarreias e vômitos.

leptospirose
Leptospirose: sintomas, causas e tratamento

Apesar da leptospirose apresentar sintomas comuns a outras enfermidades, é válido ressaltar que alguns sinais podem indicar a forma grave da doença.

Um dos sinais que indicam a forma grave da doença é a síndrome de Weil (leptospirose ictérica), que incluem sintomas como pneumonite hemorrágica, arritmia cardíaca, insuficiência renal e disfunção hepática.

Diagnóstico

Devido a presença de sintomas semelhantes a outras enfermidades, a leptospirose exige um diagnóstico diferencial a fim de evitar qualquer confusão sobre a doença. Esse diagnóstico diferencial pode ser realizado por meio de exames sorológico ou isolamento da bactéria em cultura.

É de extrema importância se atentar a possibilidade da doença caso o paciente apresente febre de origem desconhecida, sobretudo se anteriormente tiver sido exposto a leptospiras.

Tratamento

O tratamento para a leptospirose inclui hidratação, uso de antibióticos e outros medicamentos a fim de aliviar os sintomas. É válido salientar que um tratamento iniciado cedo pode evitar que a doença evolua para a forma mais grave.

leptospirose
Leptospirose: sintomas, causas e tratamento

Em casos mais graves, pode haver necessidade de internação hospitalar.

Recomendações importantes

Algumas medidas podem ser tomadas a fim de evitar o surgimento da doença. Para isso é necessário:

  • Lavar bem os alimentos;
  • Caso tenha animais, é importante que ele esteja com as vacinas em dia;
  • Evite o contato com água de áreas alagadas, mas se houver necessidade, use botas e luvas;
  • Não acumular entulhos.

Perguntas frequentes sobre o assunto

Confira abaixo algumas perguntas sobre a doença.

Como a leptospirose é transmitida?

A doença pode ser transmitida através do contato com a urina de animais contaminados. No Brasil, em decorrência de enchentes e inundações, os roedores acabam se tornando os principais transmissores da doença.

A bactéria que causa a leptospirose pode sobreviver por quanto tempo?

O micro-organismo pode sobreviver nos rins dos animais infectados por até seis meses, mesmo tendo sido excretado através da urina.

Quais os sintomas da doença?

Os principais sintomas da doença incluem febre alta, dor muscular, dores de cabeça, mudança na coloração da urina e olhos e pele amarelados.

Quais os órgãos afetados pela doença?

Geralmente os principais órgãos atingidos em decorrência da doença são os rins e o fígado.

Qual o antibiótico recomendado?

Casos leves podem ser tratados com doxiciclina 100 mg, VO, 12/12h, ou amoxicilina 500 mg, VO, 6/6h.

Quais métodos são usados para diagnosticar?

O teste ELISA-IgM e a microaglutinação (MAT) são os mais utilizados no Brasil, eles devem ser efetuados com o apoio de um  Lacens, pertencentes à Rede Nacional de Laboratórios de Saúde Pública.

Como desinfetar um local contaminado?

Para uma limpeza completa é recomendado usar 200 ml de água sanitária para 20 litros de água. A urina do rato pode até estar seca mas isso não mata a bactéria, por tanto todo cuidado é pouco.

Confira outros temas sobre saúde no tagfit.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.