Erros comuns em higienizar as mãos

Com o surto de pandemia Covid-19, lavar as mãos tornou-se uma atividade ainda mais necessária e repetitiva. Na verdade, é uma das principais recomendações da Organização Mundial da Saúde para evitar a contaminação com o novo coronavírus. Mas o que fazer para que uma desinfecção tão grande não prejudique a saúde da pele? Conversamos com a dermatologista Andréa Martins.

Com água e sabão, álcool gel ou simplesmente álcool, a desinfecção das mãos tornou-se um gesto que deve ser repetido várias vezes ao dia. No entanto, a frequência exigida pode ter um efeito desagradável na saúde das mãos, a exposição constante a preparações à base de álcool, e até mesmo a lavagem das mãos com sabonete, causa ressecamento, vermelhidão, irritação, além de unhas, ressecando cutículas que podem até ficar em pé.

Portanto, é necessário proporcionar maior hidratação e compensar a perda da camada gordurosa e a hidratação natural da pele. Também é imprescindível o uso de um hidratante após cada limpeza. Em entrevista ao DN Life, Andréa Martins, dermatologista do Hospital da Cruz Vermelha, dá conselhos sobre como cuidar das mãos em tempos de pandemia.

Qual o erro mais comum em lavar as mãos?

O erro mais comum é desinfetar as mãos com álcool ou álcool gel quando houver a opção de se lavar com água e sabão, principalmente quando estiver em casa. Se estivermos na rua e tivermos contato com muitas superfícies, podemos usar luvas de nitrila ou de plástico para evitar higiene excessiva. Luvas de látex são ainda mais irritantes para a pele.

Álcool caseiro é recomendável?

Não recomendo fazer um gel de álcool em casa por a formulação ser insuficiente e o produto se torna mais agressivo à pele e acaba ineficaz contra o vírus, dependendo do espessante utilizado. Como sua base geralmente usa álcool líquido, isso é um sinal de que temos álcool líquido em casa. Portanto, na ausência de um gel, é melhor usar um líquido.

Se você não sair de casa, não há necessidade disso. Às vezes, porém, “saímos de casa sem sair de casa”. Por exemplo, se você retirar a encomenda em casa, tocar no botão do elevador do prédio, vá até à caixa de correio, o cuidado é o mesmo de quando sai de casa. No entanto, basta lavar bem as mãos e, sempre que voltar a entrar em contacto com objetos ou superfícies do exterior, não tem de desinfectar após a lavagem.

Pode causar eczema nas mãos, que se manifesta como pele muito seca, escamosa e vermelha e até pequenas bolhas ou rachaduras. Geralmente se manifesta como ardor, coceira ou dor. E, como complicação do eczema, também pode ocorrer uma infecção bacteriana da pele.

O uso do álcool 70

É menos irritante e evapora por mais tempo (mantém contato com o agente por mais tempo) e, por ter maior poder de penetração na parede celular do microrganismo, tem efeito desinfetante mais eficaz que o álcool 96%. Para usar nas mãos é melhor o álcool em gel, pois o líquido é mais agressivo para a pele.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.