Como fica a saúde psicológica de quem perde tudo em um investimento?

Nas últimas semanas, a mídia foi infestada por depoimentos e relatos de pessoas que acreditam no sonho de enriquecer, investiram todas as suas economias, em muitos casos uma grande quantidade de dinheiro para a vida toda, e perderam tudo por causa da quebra da moeda. investimento. Infelizmente, esse tipo de caso é mais comum do que pensávamos. Diante dessa enxurrada de histórias tristes e lamentáveis, reflitamos sobre como essa situação afeta psicologicamente os indivíduos e o que fazer quando a realidade bater à porta.

O primeiro ponto que deve ser analisado é o quão fácil é para os indivíduos criarem expectativas. Criamos expectativas uns para os outros, para o futuro e para nossas realizações futuras. O maior problema é que nem tudo é previsível. Este é o nosso maior ponto de dor: sofremos porque não podemos controlar tudo. Quando algo está além do nosso controle, entramos em um estado de desequilíbrio, que afeta o comportamento e as emoções.

Porque o psicológico é afetado?

Isso ocorre porque a necessidade de controlar a situação em nossas próprias mãos é o sentimento interior de nossa espécie. Todas as coisas externas e fora de controle irão produzir insegurança e medo, fazendo-nos sentir vulneráveis. No caso em questão, estamos falando de perda, geralmente uma perda considerável. A verdade é que ninguém investe no fracasso e, quando isso acontece, sentimentos incômodos como incompetência, fracasso e culpa entram em ação.

Emocionalmente falando, as pessoas que perderam suas economias e estão deprimidas por resultados negativos sofreram a ponto de não conseguirem se acalmar, resultando em distúrbios emocionais relacionados, como insônia, perda de apetite, estresse geral, ansiedade, tristeza profunda, depressão e pânico. Em casos mais extremos, pode até ameaçar a própria vida.

Saúde financeira e saúde mental estão conectados?

Sim, a saúde financeira pode afetar diretamente sua saúde mental. Eles são os pilares básicos da qualidade de vida de qualquer pessoa. Portanto, é impossível tratar a saúde financeira sem considerar a saúde mental do indivíduo. Por outro lado, se ter uma boa saúde financeira pode ajudar a melhorar a qualidade de vida, levando a uma mentalidade mais saudável e equilibrada, então a má saúde financeira será certamente acompanhada por transtornos mentais.

Outro fator muito relevante em todo o processo é que além da tristeza, do medo e da raiva, os indivíduos também podem se sentir culpados. Um sentimento de culpa que distorce a verdade e acelera o complexo de inferioridade, baixa auto-estima e aumento do estresse.

O que pode encorajá-lo a se exteriorizar por meio de uma atitude desesperada a fim de buscar alívio e a falsa ilusão de autoperdão. Porque essa incompetência também pode estar relacionada a se expor e mostrar a frágil vergonha a parentes e amigos próximos.

Por fim, quero dizer que os problemas financeiros prejudicam diretamente o cérebro e vice-versa. E se sua saúde mental não continuar, sua autoestima e autoconhecimento não forem protegidos, você definitivamente cairá na falsa promessa de motivação de alta renda, deixará de analisar completamente os riscos de certas operações e produzirá mais ansiedade e frustração.

O que fazer quando essa realidade surgir?

O ideal é não sucumbir a comportamentos e emoções, como: mau humor, irritabilidade, isolamento social, desatenção, falta de produtividade profissional, culpa excessiva e profunda tristeza.

Se não forem resolvidos a tempo, esses problemas podem levar a consequências mais catastróficas, como o vício em cigarros, álcool, comida e drogas ilegais, tentativas de eliminar a frustração com comportamento excessivo e até tentativas de suicídio. Infelizmente, nem todo mundo percebe que a depressão e a perda podem levar à doença mental. A culpa e a vergonha encobrem o problema e ajudam os indivíduos a manter a máscara social disfarçada. Mas a solução não é culpar e se esconder.

Se o equilíbrio psicológico não acompanhar sua reestruturação financeira, e esse ciclo não promover a negação do problema, o problema reaparecerá e você terá problemas novamente, sem possibilidade de reversão. Não adianta fugir do problema.

Temos que enfrentá-lo para perceber suas dimensões e verificar como resolvê-las desta forma. Quando a mente busca um equilíbrio mínimo, pode imaginar soluções muito eficazes para as disputas. A solução pode ser cuidar da sua situação financeira e da saúde mental em simultâneo, mesmo para quem não está endividado.

Por fim, sua saúde mental é muito preciosa e tudo o que pode prejudicá-lo deve ser descartado e eliminado de sua vida diária. Independentemente da natureza, nada é mais saudável do que viver em paz com nossas mentes, sem o peso de acusações e culpas.

O tratamento pode ajudar as pessoas a aprenderem a se organizar melhor em ação e pensamento. Sabemos que quando estamos desajustados internamente, nosso exterior refletirá esse desajustamento e fortalecerá nossas fraquezas e impulsos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.